Últimas >>
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 24 de setembro de 2017

Festival chega ao 8º dia com destaque para filmes de Brasília

Com reflexões sobre o cenário político atual, o Congresso Nacional foi palco dos dois longas-metragens locais na noite desta sexta-feira (22). O governador Rollemberg passou no Cine Brasília para cumprimentar os organizadores e se mostrou satisfeito com a qualidade da mostra.

Filme brasiliense Era uma Vez Brasília encerrou, nesta sexta-feira, o 8º dia do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (22). O documentário fantasioso traz a narrativa de um agente intergaláctico que recebeu uma missão peculiar em 1959 – matar o presidente Juscelino Kubitschek no dia da inauguração da capital.Rollemberg foi ao Cine Brasília nesta sexta-feira (23). Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Perdido no espaço por anos, o protagonista acaba caindo em Ceilândia, em 2016. Desnorteado, agora ele se encarrega da tarefa de “acabar com os monstros que tomaram o poder no Brasil”, como define o diretor Adirley Queirós.

Em cenários noturnos, com imagens documentadas das manifestações populares de 2016, o diretor apresenta uma construção que não segue uma narrativa temporal, mas com a realidade atual como base.

Vindo de outro evento, o governador Rodrigo Rollemberg passou no Cine Brasília, ao final da programação da noite, para cumprimentar os organizadores do festival e se mostrou satisfeito com a qualidade da mostra.

“As informações que tenho são de que o festival está fantastico. Muitas pessoas estão elogiando. Tem impulsionado Brasília. Agora temos a grande novidade com a criação do Parque Audiovisual, que vai ajudar o setor a crescer mais ainda no cenário”, comemorou.

o governador estava acompanhado da esposa e colaboradora do governo, Márcia Rollemberg, e do secretário de Cultura, Guilherme Reis.
Em Era uma Vez Brasília, agente intergaláctico aterrissa em Ceilândia e assume a missão de acabar com monstros que tomaram o poder no País

Esta é a terceira vez que Adirley concorre. Em 2014, ele venceu na categoria principal do 47º Festival de Brasília com Branco Sai, Preto Fica. Já em 2005, o cineasta levou os prêmios principais dos júris oficial e popular com o curta-metragem Rap, o canto da Ceilândia.

Outra produção brasiliense foi exibida na Mostra Brasília e na Competitiva. O documentário Carneiro de Ouro, de Dácia Ibiapi, narra a história de Dedé Rodrigues, que produz filmes com meios precários no Sertão do Piauí.

Dedé Rodrigues agradeceu a oportunidade de ter sua saga retratada na obra de Dácia. “Estou realizando um sonho. Fazer cinema não é fácil, ainda mais no interior do Piauí com poucos recursos.”

Entres os títulos mais conhecidos de Rodrigues está a triologia Cangaceiros Fora de Tempo. Alguns trechos da produção do cineasta piauiense foram exibidos no curta Carneiro de Ouro. “Eu tenho muitos filmes, não são nenhuma Hollywood, mas a gente tenta”, conta.

As duas obras do DF foram antecedidas pelo curta Chico, de Irmãos Carvalho, do Rio de Janeiro. Os filmes da mostra competitiva também passaram nos seguintes locais:
Teatro da Praça (Setor Central de Taguatinga)
Espaço Semente (Setor Central do Gama)
Teatro de Sobradinho
Riacho Fundo I (em frente à administração regional)

Os interessados podem assistir à reprise gratuita dessas produções neste sábado (23), às 15 horas, no Auditório 1 do Museu Nacional (Conjunto Cultural da República, próximo à Rodoviária do Plano Piloto).
Último dia da Mostra Brasília também retrata cenário político

O longa-metragem Um domingo de 53 horas, de Cristiano Vieira, narra os episódios do dia 17 de abril de 2016, quando a Câmara dos Deputados aceitou o processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

Com 93 minutos de duração, o documentário traz entrevistas e imagens da cobertura de dentro do Plenário e de ambos os lados da Esplanada dos Ministérios, que foi dividida por uma barricada para evitar confronto entre grupos pró e contra o impeachment.

O filme expõe o ponto de vista tanto de pessoas comuns, que estiveram no protesto trabalhando ou protestando, quanto de jornalistas, políticos, juristas e pesquisadores de todos os pólos de opinião, a fim de obter um retrato do paradoxal embate ideológico e político brasileiro.

“É um filme que tenta entender esse momento conturbado que vive nosso país desde abril de 2016. Foi um filme difícil de fazer, ainda mais sem recursos, mas a nossa ideia é trazer uma reflexão do que estamos vivendo hoje e para onde isso vai”, comentou o diretor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário



imagem-logo