Últimas >>
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Escola Técnica de Ceilândia abrirá inscrições para 13 cursos em 2019

No total, são 760 vagas para formação inicial continuada. Os interessados devem solicitar as vagas diretamente na unidade em 21 e 22 de janeiro.

A Escola Técnica de Ceilândia abrirá 760 vagas para 13 cursos de formação inicial continuada. Os interessados deverão buscar a secretaria da unidade escolar (QNN 14, Área Especial, em Ceilândia) em 21 e 22 de janeiro, das 8 às 11 horas e das 14 às 17 horas. As vagas serão preenchidas por ordem de chegada, de acordo com o limite de vagas.A Escola Técnica de Ceilândia abrirá 760 vagas para 13 cursos de formação inicial continuada. Os interessados deverão buscar a secretaria da unidade escolar (QNN 14, Área Especial, em Ceilândia) em 21 e 22 de janeiro. Foto: Toninho Tavares/ Agência Brasília

O Edital nº 59, publicado no Diário Oficial do Distrito Federaldesta sexta-feira (9), estabelece o processo seletivo. As aulas começam no primeiro semestre de 2019.

Entre os requisitos, é preciso ter cursado, no mínimo, ensino fundamental — do 1º ao 5º ano e, para algumas capacitações, do 5º ao 8º ano. Além disso, 20% das vagas, em todas as opções, são destinadas a pessoas com deficiência (PCD).

As etapas da seleção serão definidas pela comissão organizadora e, então, divulgadas no endereço eletrônico da Escola Técnica de Ceilândia e da Secretaria de Educação.

As vagas e os cursos disponíveis são:
Curso Carga horária (em horas) Matutino Vespertino Noturno Vagas para PCD
Assistente administrativo 320 48 – 48 24 (12 para cada turno)
Assistente de recursos humanos 320 – 48 – 12
Barbeiro 320 20 – – 5
Cabeleireiro 400 – 20 20 10 (5 em cada turno)
Costureiro industrial no vestuário 240 – 40 40 20 (10 em cada turno)
Manicure e pedicure 320 – 20 – 5
Marceneiro 320 24 24 24 18 (6 em cada turno)
Montador de equipamentos eletroeletrônicos (robótica) 320 20 20 20 15 (5 em cada turno)
Operador de computador 240 40 40 60 35 (10 no matutino, 10 no vespertino e 15 no noturno)
Programador web 320 20 20 20 15 (5 em cada turno)
Programador de sistemas – iniciante (lógica) 240 20 20 20 15 (5 em cada turno)
Montador e reparador de computadores (suporte técnico) 240 16 16 – 8 (4 em cada turno)
Eletricista – instalador predial de baixa tensão 240 16 16 – 8 (4 em cada turno)

Escola Técnica do Guará prorroga inscrições

A adesão aos cursos técnicos de nível médio da Escola Técnica do Guará podem ser feitas até esta sexta-feira (9), às 23h59. Interessados devem se inscrever no portal da Secretaria de Educação, de acordo com o Edital nº 61, publicado no DODF.

Cursos de formação inicial continuada na Escola Técnica de Ceilândia

Em 21 e 22 de janeiro
Das 8 às 11 horas e das 14 às 17 horas
Na QNN 14, Área Especial, Ceilândia
Inscrições gratuitas

Fonte: Agência Brasilia

CALOTE EM JORNAIS - Agência Agnelo Pacheco vai dar “Rasteira” em veículos de comunicação

Alguns veículos de comunicação do Distrito Federal estão indignados com uma rasteira que estão prestes a levar da agencia de publicidade Agnelo Pacheco.

É uma situação no mínimo estranha, envolvendo uma PROPOSTA feita pela agência e aparentemente com o conhecimento e concordância da Câmara Legislativa do Distrito Federal.
Ocorre que a Agnelo Pacheco, contratada pela CLDF para agenciar a publicidade da Casa junto aos jornais, blogs, rádios e tvs, sob a alegação de falência da empresa, deu um calote em alguns veículos e, tudo indica, pretende dar um ainda maior em outros.



ENTENDA O CASO
No fim do ano de 2016, fim também da gestão da Mesa Diretora Biênio 2015/2016, o departamento de publicidade da Câmara Legislativa distribuiu, por intermédio da agência Agnelo Pacheco, anúncios publicitários da campanha “CLDF E VOCÊ” para vários veículos de comunicação comunitários e mídias eletrônicas. Todos eles cadastrados dentro das regras estabelecidas pela CLDF e, portanto, habilitados para receber o pagamento pelo serviço prestado.
Os veículos que publicaram as peças publicitárias o fizeram mediante PIs (Pedidos de Inserção) emitidas pela agencia e autorizadas pela CLDF. 
Estes veículos de comunicação apresentaram a devida Nota Fiscal e os comprovantes de veiculação, também conforme as regras e condições estabelecidas pelo cliente contratante, no caso, a Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Após analisar e aprovar os documentos apresentados pelos veículos de comunicação (Nota Fiscal e os comprovantes de veiculação), o órgão responsável pela publicidade da CLDF encaminhou os processos para a Agnelo Pacheco e repassou a verba para o pagamento de um grupo deles, já descontados os 20% de comissão de que tem direito as agências de publicidade.
Isto para apenas um grupo de veículos. Outro grupo com igual volume a receber (cerca de R$ 2 milhões) estão com os processos parados na CLDF aguardando a confirmação do pagamento para a primeira leva de veículos.

O primeiro grupo não recebeu o repasse do pagamento devido pela Câmara Legislativa por parte da Agnelo Pacheco por, segundo informações da agência, falência da empresa.
Apesar de o contratante, beneficiário do serviço e o cliente ser a Câmara Legislativa, a Mesa Diretora da Casa eleita para o biênio 2017/2018, que seria a responsável pelo pagamento aos veículos, legalizou o calote ao “lavar as mãos” e deixar os jornais no prejuízo (a maioria deles de pequenos empresários).

Os proprietários dos veículos sempre que procuraram informações sobre esse pagamento foram orientados (nem sempre com a devida educação e respeito) a processar judicialmente a agência e não cobrarem da CLDF, que é o cliente devedor de direito, conforme a interpretação de vários juristas consultados.
Destaque-se que os veículos de comunicação não participam, não opinam, não influem, não decidem e são impotentes no processo de licitação e contratação das agências de publicidade que prestam serviços para a Casa, privilégio exclusivo dela.

A PROPOSTA
Veículos do primeiro grupo que levaram o calote da agência com a omissão permissiva da Mesa Diretora da Câmara Legislativa eleita para o biênio 2017/2018, estão recebendo um contato telefônico no mínimo estranho.
Uma senhora que se identifica como Dra. Ludmila, representando a agência Agnelo Pacheco, está propondo o pagamento de quitação do serviço prestado ao primeiro grupo, condicionando para isso um desconto de 70% em prejuízo dos veículos.
A justificativa, segundo Dra. Ludmila, é que a segunda parcela do pagamento pendente na CLDF para o segundo grupo, só será liberada com a devida quitação do pagamento aos veículos do primeiro grupo.

RESUMO DO GOLPE
A Agnelo Pacheco, que recebeu o valor integral para ser repassado ao primeiro grupo e recebeu 20% do volume como comissão legal, quer também mais 70% de desconto para pagar o que deve aos veículos. Para, segundo a própria agência, que a Câmara Legislativa libere a parte do pagamento que, em tese, será repassado para o segundo grupo, que a julgar pela ética da proposta, corre o perigo de só receber também com o mesmo desconto.

PRECEDENTE PERIGOSO
Alguns veículos de grande e pequeno porte, pressionados por dificuldades financeiras e dívidas (algumas, consequências desse calote) estão aceitando a “PROPOSTA” da agência e recebendo apenas 30% do valor total do serviço prestado.
Nada impede a agência de tentar agir da mesma forma com a turma do segundo grupo (ou pior). Como o agenciamento de publicidade para órgãos públicos é contrato temporário e de acordo com gestões e mandatos, o expediente utilizado pela Agnelo Pacheco poderá ser usado também por outras agencias em ocasiões futuras.

ASVECOM
Edvaldo Brito, presidente da Associação de Veículos Comunitários do DF e Entorno – ASVECOM, disse que os associados da entidade são livres para escolher aceitar ou não a PROPOSTA, mas se posicionou contrário ao que foi proposto pela agência.
Segundo ele, “é uma proposta antiética, constrangedora e no mínimo indecente, que diminui a importância dos veículos de comunicação e o respeito que lhes é devido por clientes e agências”. 

CÂMARA LEGISLATIVA
Solução pela CLDF? Nem pensar. 
Os membros da Mesa Diretora da Câmara Legislativa biênio 2017/2018 responsável pelo pagamento aos veículos, não tiveram seus mandatos renovados nas urnas nessas eleições e com certeza não darão a mínima para o prejuízo dos veículos.


Fonte: Folha da Comunidade DF

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Comércio prevê menos contratações temporárias no DF neste fim de ano

Previsão é abrir 2,93 mil vagas, quase 1 mil a menos que em 2017. ‘Insegurança dos empresários em eventos futuros’ é justificativa segundo Fecomércio.

Por G1 DF

O comércio do Distrito Federal estima que vai contratar cerca de 1 mil trabalhadores temporários a menos neste fim deste ano, em comparação com 2017. Segundo a Federação do Comércio (Fecomércio), serão abertas 2,93 mil vagas. No ano passado foram 3,9 mil.

De acordo com a entidade, a baixa pode ser explicada pela “insegurança dos empresários em eventos futuros”. Para a Fecomércio, “o ano de 2018 tem sido atípico, por causa dos eventos da Copa do Mundo e, principalmente, pelas indefinições políticas por causa das eleições em outubro”.

“As incertezas afetam diretamente o desempenho nas contratações temporárias”, afirma a Fecomércio

As conclusões são com base em uma pesquisa feita pela federação que ouviu 401 lojistas de shopping e de rua, de 15 segmentos diferentes, entre os dias 6 e 8 de agosto.

Onde há vagas
Loja de chocolate durante o Natal — Foto: Lynne Aranha / G1

Segundo a Fecomércio, a maior parte das contratações (62%) de temporários será feita em novembro. Os principais critérios para chamar um funcionário são experiência anterior, comportamento proativo e flexibilidade de horário.

Ranking onde há vagas

Lojas de chocolate
Calçados e acessórios
Material esportivo
Lojas de brinquedos
Artigos para presente
Vestuário
Livraria e papelaria
Joalheria
Perfumaria e cosméticos
Cama, mesa e banho
Eletroeletrônicos
Bares e restaurantes
Supermercados
Floriculturas
Óticas

No Brasil do golpe, 61,5 mi de consumidores estão inadimplentes

O número de consumidores inadimplentes que vem crescendo na esteira da recessão decorrente do golpe de 2016, subiu 1,82% em agosto deste ano quando em comparação com o mesmo mês do exercício anterior. Segundo dados da Serasa Experian, cerca de 61,5 milhões de brasileiros não conseguem pagar suas contas em dia.

O volume dos débitos chega a R$ 274 bilhões, sendo que, em média, cada CPF possui quatro dívidas, totalizando R$ 4.453 por devedor.
No comparativo de agosto com o mês anterior, houve uma queda de 0,16% no total de inadimplentes. Em julho este número chegou a 61,6 milhões de consumidores. Em junho, o Brasil registrou 61,8 milhões de consumidores com dívidas em atraso, um recorde da série histórica.

Os bancos e os cartões de crédito continuam como sendo os de maior participação nas dívidas em atraso, apesar da queda de 1,6 ponto percentual em comparação com o mês de agosto do ano passado. As contas básicas, como água, energia elétrica e gás, tiveram as maiores altas no que diz respeito a inadimplência: 2,1 pontos percentuais em comparação com o mesmo período de 2017.

Fonte: Brasil 247



imagem-logo