Últimas >>
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

sábado, 25 de fevereiro de 2017

TCDF suspende licitação do GDF para contratação de 6,2 mil vigilantes

Os conselheiros do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) suspenderam, por medida cautelar, a licitação para contratação de vigilantes pelo Governo do DF. O edital foi anunciado no último dia 8 e prevê a contratação de 6.232 trabalhadores, que devem ser lotados em 65 órgãos do Executivo local. O valor do certame foi estimado em R$ 545,6 milhões por ano.

A determinação do TCDF, desta quinta-feira (23/2), é fruto de uma denúncia protocolada perante a Corte. No documento, a acusadora alega que o GDF está inadimplente com diversas empresas que prestam serviço de vigilância, principalmente as que têm contratos com a Secretaria de Saúde do DF. Por conta da situação, as companhias alegam que seriam prejudicadas na nova licitação.

“Sem a devida quitação, não será possível que as atuais prestadoras de serviços honrem com as devidas verbas rescisórias para a desmobilização dos seus empregados, pagar os débitos com os bancos para manter sua regularidade fiscal, podendo receber da administração, ao reverso, sanções graves e impedimento de licitar, inidoneidade, como retaliação”, ressalta o documento

Prejuízo
O redimensionamento dos lotes com a desfragmentação dos postos também foi apontado como fator que dificultará a logística e pode gerar prejuízo ao erário. Na decisão, o TCDF determinou prazo de cinco dias para que a Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão do DF (Seplag) apresente os esclarecimentos sobre os pontos questionados.

Esta não é a primeira vez que a licitação para vigilantes do GDF esbarra no Tribunal de Contas. Desde o ano passado, o governo preparava o edital para esse tipo de serviço no DF, mas os trâmites ficaram sob análise da Corte, que encontrou falhas no processo. Desde outubro do ano passado, a Seplag tem feito as correções recomendadas pelo TCDF.

Atualmente, cinco contratos emergenciais de vigilância da Secretaria de Planejamento estão em vigor e serão substituídos pelo regular. Em 2016, foi necessária a contratação emergencial para garantir que os serviços de vigilância não fossem descontinuados ou ficassem sem cobertura contratual.

Questionado pelo Metrópoles, o GDF afirmou que vai recorrer da decisão “porque está convencido da necessidade da contratação desses serviços. Os eventuais atrasos decorrem de dívidas do governo anterior e das conhecidas dificuldades financeiras do governo de Brasília”.

Fonte: Metrópoles

Nenhum comentário:

Postar um comentário



imagem-logo