Últimas >>
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Escolas da rede pública apresentam evolução de desempenho no Enem

Secretário de Educação faz avaliação positiva, mas ressalta que agora é momento de identificar as áreas nas quais os estudantes mostraram mais dificuldade, como a redação.

As escolas da rede pública do Distrito Federal, administradas pela Secretaria de Educação, apresentaram melhora significativa de desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2015. A evolução ficou mais nítida nos centros de ensino médio do Plano Piloto: Setor Leste, Setor Oeste, Asa Norte e Paulo Freire.Centro de Ensino Setor Oeste, na Asa Sul, apresentou evolução de 25 pontos em dois anos na média do Enem. 

Os dados divulgados nesta terça-feira (4) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação, consideraram a média dos alunos nas provas objetiva e de redação. Alunos de 185 escolas públicas e particulares do Distrito Federal participaram da prova. Das 87 unidades de ensino de responsabilidade da secretaria, 80 fizeram o exame.

Primeira colocada entre as escolas administradas pela Secretaria de Educação, o Centro de Ensino Médio Setor Leste, na Asa Sul, teve 551 de média, 13 pontos a mais que em 2014 (538) e 33 a mais que em 2013 (518).

Outro destaque da rede pública do DF foi o Centro de Ensino Médio Paulo Freire, na Asa Norte, que marcou a média de 527 pontos. Em 2014, a unidade ficou com 509 pontos, e com 501 em 2013.

O Centro de Ensino Setor Oeste, também na Asa Sul, apresentou evolução de 25 pontos na média em dois anos, passando de 523 em 2013, para 539 em 2014 e 548 em 2015.

No Centro de Ensino Médio da Asa Norte, terceira no ranking geral das escolas sob a tutela da secretaria, os números saltaram de 517 em 2013 para 543 em 2015. Os alunos do Centro de Ensino Médio de Taguatinga Norte também obtiveram aumento no índice, que pulou de 508 pontos em 2013, para 521 em 2014 e 528 em 2015.
"Agora as escolas devem trabalhar suas propostas pedagógicas para desenvolver ações que melhorem o desempenho dos alunos."Júlio Gregório Filho, secretário de Educação

Para o secretário de Educação, Júlio Gregório Filho, os números mostram que políticas como a oferta de simulados do Enem e o apoio aos secundaristas, foram importantes para a melhoria nos resultados. “Fazemos uma avaliação positiva dessa evolução, agora as escolas devem trabalhar suas propostas pedagógicas para desenvolver ações que melhorem o desempenho dos alunos”, acredita o gestor.

O secretário entende que ainda há um longo caminho a percorrer. “Agora é momento de focarmos onde os estudantes mostraram mais dificuldade, como a prova de redação.”

De acordo com ele, os resultados devem ser avaliados além do ranking. “No Centro Educacional 1 da Estrutural, foi a primeira vez que conseguimos atingir o quórum de 50% dos alunos participantes para realização da prova, e vamos continuar estimulando esses estudantes para que façam o exame”, destaca o secretário.

Esta unidade de ensino, que ficou com a menor média entre as escolas do DF, com 457 pontos, trabalha com educação de jovens e adultos (EJA) no período noturno.
Expectativa de novos avanços neste ano

A expectativa da secretaria, segundo o titular, é que os números em 2016 apresentem evolução ainda maior, com a ampliação dos simulados do exame para todos os estudantes do DF.

Além dos alunos das redes pública e privada, podem fazer o teste quem está matriculado nos Colégios Militares de Brasília e Dom Pedro II, e no Sistema S (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial; Comercial; Rural; do Cooperativismo; e Serviço Social do Comércio; da Indústria; e de Transporte), além de jovens e adolescentes das unidades prisionais e socioeducativas.

Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário



imagem-logo