Últimas >>
Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Mais da metade da população do DF se declara negra, diz estudo da Codeplan

Resultado de imagem para fotos da consciência negra
Apesar disso, renda e escolaridade é menor entre os negros. É o que mostra pesquisa divulgada nesta quarta (22)

A maioria da população do Distrito Federal se declara negra, de acordo com pesquisa da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) divulgada nesta quarta-feira (22).

O levantamento — com base em dados de 2015 — mostra que a população estimada local naquele ano era de 2.906.298 habitantes. Desses, o contingente de pessoas negras foi calculado em 1.683.606, representando 57,93% do total.

Por outro lado, o padrão de renda tem relação inversa — quanto maior a renda média de determinada localidade, menor a proporção de negros.

“Nosso estudo, infelizmente, ainda mostra dados que confirmam a existência de problemas de desigualdade, exclusão e discriminação”, informou o presidente da companhia, Lucio Rennó, durante apresentação dos números.
57,93%Porcentual da população do DF que se declarou negra em pesquisa da Codeplan

O diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz, reforçou que, de um mesmo grupo de regiões administrativas, há um diferencial de 20% de renda entre negros e não negros. “Teve uma leve melhora nos últimos anos, mas a gente tem clara uma diferenciação de padrões de escolaridade e renda.”

A pesquisa observa que, nas regiões de renda mais alta — Jardim Botânico, Lago Norte, Lago Sul, Park Way, Plano Piloto e Sudoeste/Octogonal —, a população é formada essencialmente por não negros, que representam 67,19%.

Já nas regiões administrativas de menor poder aquisitivo, como Estrutural, Fercal, Itapoã, Paranoá, Recanto das Emas, Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (SCIA) e Varjão, os negros são maioria: 71,05% dos moradores locais.

Além das questões de renda, a publicação Perfil do Negro no Distrito Federal contém dados de escolaridade, moradia, mercado de trabalho e acesso à internet.
Escolaridade

Enquanto 27,18% dos negros têm o primeiro grau incompleto, entre os não negros este porcentual é menor, de 15,17%.

Apenas 18,99% da população negra a partir de 25 anos tem nível superior completo, incluindo curso de especialização, mestrado e doutorado. Para a população de não negros, essa proporção é de 38,16%, o dobro da de negros.
Mercado de trabalho

Os dados relativos ao mercado de trabalho mostram proporções de inserção ocupacional quantitativa de certa forma equiparadas.

Do total da população negra, 53,53% exerciam atividade remunerada em 2015. Entre os não negros, essa proporção estava bem próxima, no porcentual de 53,56%.

A diferenciação é percebida quando se analisam os perfis qualitativos. A concentração de negros nos setores da construção civil (70,80%) e nos serviços domésticos (70,42%) é bem maior do que a de não negros.

Já na administração pública, essa proporção de negros fica abaixo da metade, com 40%. O mesmo ocorre no setor de comunicação, com 39,80% de trabalhadores negros.
Acesso à internet

Um dado novo que o estudo traz é o acesso à internet. De acordo com o diretor Bruno de Oliveira Cruz, quanto maior a idade, o diferencial de acesso aumenta entre pessoas negras e não negras.

De 15 a 29 anos, esse diferencial é menor — 85,32% de negros com acesso à internet e 91,01% de não negros. Entre os idosos a partir de 60 anos, os negros eram 39,58% e os não negros, 53,05%.

O presidente Lucio Rennó explicou que o órgão aproveitou o Mês da Consciência Negra para contribuir com o debate sobre os processos de inclusão dos negros.

Segundo ele, apresentar algo sobre a temática serve para ajudar a pensar políticas públicas que enfrentem esse problema social.

O estudo considera negros a agregação de cor/raça parda/mulata e preta; e não negros, a agregação das cores/raças branca e amarela e os indígenas. Foram excluídas as pessoas que não declaram a cor/raça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário



imagem-logo